Connect with us

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

O que é mais importante para você: estar na moda ou ser quem você é?

Published

on

Toda mulher já teve esse dúvida, não importa se na juventude quando querem ser aceitas pelo grupo e, principalmente, por outras mulheres, ou, quando já são adultas.

 

Todos nós estamos em busca de descobrir nossos estilos para reafirmarmos nossa essência e personalidade. Por isso, no artigo de hoje, trago algumas dúvidas de muitas leitoras:

 

  • A moda Tie Dye é para todas as idades?
  • Estar na moda é mais importante do que ser quem você é?

 

Se você me acompanha semanalmente, talvez saiba o que é o Tie Dye, mas, se chegou hoje e não sabe o que é, fique tranquila que eu vou lhe explicar.

 

A moda Tie Dye ganhou muita força nesse período em que boa parte do mundo está em casa. Se você segue conteúdo de moda, é praticamente impossível ter passado o último mês sem se deparar com nenhuma peça com a técnica tie-dye no feed das redes sociais.

 

Para se ter uma ideia, na plataforma Pinterest, que é uma das mais acessadas quando as pessoas buscam inspiração e querem aprender a fazer em casa, as buscas por vídeos com técnicas de tie-dye dobraram.

 

O tie-dye já esteve presente em diversos momentos da moda, mas agora parece ter voltado com mais força do que nunca. De uma amiga que customiza em casa às lojas de departamentos, de personalidades às marcas criadas com foco no estilo, ela está por todos os lados.

 

O termo “tie-dye” significa, literalmente, “amarrar e tingir” em inglês. E surgiu nos EUA quando esse tipo de estampa irregular feita de forma caseira e artesanal ganhou destaque no Movimento Hippie.

 

E por isso, até hoje, as mulheres se perguntam:

 

  • Essa moda é para mim?
  • Todos podem usar?
  • É para todas as idades? (…)

 

As perguntas fisgam a nossa mente. Aprendi há alguns anos que as perguntas certas podem mudar nossas crenças e questionar algumas verdades que temos como absolutas.

 

Dessa forma, te pergunto:

 

  1. É mais importante para você estar na moda ou ser quem você é com seus estilos?

 

  1. Será que a imagem que você transmite às pessoas é exatamente aquilo que quer comunicar?

 

Se falarmos de moda, e levarmos em consideração os 7 Estilos Universais, não há nada mais criativo e esportivo do que a Moda Tie-Dye, e ela engloba 2 desses 7 Estilos Universais, justamente o criativo e esportivo.

 

Vemos o moletom em alta, com boa parte dessas peças estampadas em tie-dye. E elas andam assim, uma ao lado da outra. E a questão é:

 

  • O que tem de inofensivo em você usar essas peças se não estão nos seus estilos?
  • E se eu gosto e quero comprar, não tem nada de mal nisso, não é mesmo?

 

Responda verdadeiramente e faça uma reflexão: o que é mais importante para você, comprar o look da última moda, ou colocar no seu guarda-roupa looks e peças que tenham a sua essência e que afirmem quem você realmente é?

 

Esses dias vi uma apresentadora de TV com um moletom tie-dye e no mesmo momento pensei em usar isso para testar essa dúvida que nos trouxe até aqui. Perguntei a uma amiga o que aquela mulher vestida de moletom tie-dye transmitia a ela, e sem nem pestanejar ela respondeu:

 

“Parece que ela saiu de pijama e foi trabalhar!”

 

Em seguida, continuei e perguntei se ela havia achado o look bonito, ao que ela disse: “ Sim, está super na moda!” Ou seja, ela usou a palavra moda para justificar que mesmo parecendo um pijama, aquela roupa era aceitável, apenas por “estar na moda”.

 

Vou te dar outro exemplo para mostrar como muitas pessoas usam a palavra moda para justificar peças em seus guarda-roupas que não fazem parte de seus estilos.

 

Quando pergunto a uma mulher com estilo feminino, mas não criativo, se ela prefere uma blusa de laço e poás, ao invés de uma blusa da moda tie-dye, a chance dela responder que prefere a de laços com poás é infinitamente maior, mas, mesmo não gostando e apenas por estar na moda, ela compra e usa o tie-dye.

 

Por isso, é muito importante saber quem somos e sempre nos questionar: “será que se eu colocar essa peça em meu guarda-roupa, eu vou usá-la quando não estiver mais na moda?”

 

Esse tipo de pergunta é mais uma estratégia para verificar se as peças estão de acordo com quem você é. E, se responder isso for muito difícil, é porque algo está bem confuso dentro de você.

Negligenciar quem somos para atender ao padrão da moda a todo tempo é algo desgastante e, ao mesmo tempo, estressante, já que a moda muda o tempo todo.

Muitas mulheres cedem à pressão da moda e colocam em seus guarda-roupas looks que jamais comprariam, usam determinada roupa ou bolsa apenas para satisfazer necessidades que não são suas somente para mostrar que fazem parte do coletivo.

 

Mas, esses comportamentos vão ficando cada vez maiores e fora de controle, com gastos excessivos, impulsos e compulsões.

 

Escrever a você leitora, ou, leitor, me ajuda a refletir sobre os meus próprios comportamentos. Como a maioria das pessoas, já houve fases em minha vida em que tive impulsos e desejos incontroláveis e comprei coisas que não faziam parte dos meus estilos.

 

Mas, hoje, com minhas clientes e leitores reflito sobre a necessidade de nós comprarmos peças que não fazem parte dos nossos estilos, apenas para nos enquadrar à moda e nos sentirmos socialmente aceitos.

 

Compartilho com minhas clientes que encontrei na prática da meditação a possibilidade de potencializar o autocontrole e, principalmente, em como a meditação me ajudou a descobrir quem eu de fato era me libertando da necessidade de ter peças apenas porque saíram em revistas ou apareceram nas mídias sociais.

 

Hoje, minha maior estratégia é uma “lista de desejos”, de peças que eu gostaria de ter em meu guarda-roupa, mas quem nem sempre estão à venda, porque não são peças da moda.

 

Isso cria um anseio saudável, uma vontade de ter em seu guarda-roupa uma peça única e que tem tudo haver com seus estilos. Lembra-se da sua infância, quando esperava meses e meses para ter algo?

 

As pessoas precisam ter sonhos, desejos, pois é isso que as motivam para alcançar seus objetivos. Existe uma história de um príncipe que tinha todos os seus sonhos realizados sem esforço algum, vivia uma vida vazia e sem objetivos. Trabalhar para construí-los foi o que o motivou a encontrar sentido na vida e nos sonhos.

 

Ter uma lista de desejos, sonhar com peças e looks, ter vontade de conquistar algo, mesmo que não seja nada grandioso, faz você se dedicar e encontrar sentido naquilo que usa, e utilizar seus looks e peças como extensão daquilo que você é, ao invés de sair correndo para comprar algo apenas porque está na moda.

 

Por isso, hoje, não deixe de responder a si mesmo: o que é mais importante, estar na moda ou ser quem você é?

 

Afinal, nossas roupas dizem mais sobre nós do que nós mesmos!

 

Te vejo na próxima semana! Se quiser saber mais, acesse: erica.consultoriadeestilo

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

 

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Lazer x Trabalho Ter ou não ter um guarda-roupa para cada ocasião?

Published

on

Imagina só acordar todos os dias e escolher um look diferente dentro dos seus
próprios estilos em seu guarda-roupa. Parece difícil? Mas não é impossível.
Você deve está pensando agora: “para isso acontecer eu preciso no mínimo ter vários
guarda-roupas”. Negativo!
É exatamente sobre isso que vamos falar no artigo de hoje.
Se você é daqueles que tem um guarda-roupa para cada ocasião, preciso te dizer que
está indo pelo caminho errado, principalmente se quer descobrir quais são os seus 3
estilos principais dentre os 7 universais.
Se você quer aprender como desmistificar essa crença de que precisa ter vários
guarda-roupas “dentro de si mesma” para se sentir segura e confortável na hora de
escolher o que vestir, fica comigo no artigo de hoje.
Na semana passada falei sobre como aprender a identificar se você é um acumulador
de peças ou se tem um guarda-roupa harmônico, com personalidade e focado na
identidade dos seus estilos.
Se você perdeu é só clicar aqui para entender mais sobre o que vamos falar hoje.
Vamos começar?

Ter ou não ter um guarda-roupa para cada ocasião?
Será que ter um armário para lazer e outro para o trabalho é mesmo a melhor
solução? Você já abriu seu guarda-roupa e percebeu que separa as peças dessa
maneira?
Preciso te dizer que essa é uma prática muito comum entre as mulheres que ainda
não descobriram quais são os seus estilos, e também entre aquelas que não se
sentem confiantes em vestir o que gostam.
Várias clientes chegam às sessões de consultoria com essas dúvidas e, boa parte das
pessoas, homens ou mulheres, fazem um guarda-roupa diferente para cada ocasião.
Porém, essa prática, sobre a qual eu não aconselho, te torna uma pessoa com forte
potencial de acumulador e, provavelmente, com peças e mais peças que você sequer
usa ou sabe que tem.
Se você não é uma pessoa que precisa usar uniforme para ir ao trabalho, seu guarda-
roupa deve conter peças e looks que estejam de acordo com seus estilos e com quem
você é, e não separá-los em duas ou mais categorias.

Exatamente por isso falo sobre a importância de cada pessoa conhecer bem os seus
estilos. Porque isso dá a ela a liberdade de misturar peças desse guarda-roupa em
quaisquer que seja a ocasião.
Por exemplo, as pessoas que trabalham em lugares onde o Dress code, tradução do
inglês para código de vestimenta, é mais rígido, adotando uniformes e traje social
completo, também podem aprender a compor seus looks sem eliminar seus próprios
estilos e sem criar 2 guarda-roupas.
Uma mulher com estilo mais sensual pode colocar um pouco de sensualidade nesse
dress code, assim como a criativa, esportiva e, isso vale para todos os estilos. Sem
medo de errar!
As pessoas e, principalmente as mulheres, ficam muito presas ao que pode ou não
pode quando o assunto é look para o trabalho e acabam usando peças que não fazem
parte de seus próprios estilos, o que as deixam super desconfortáveis.
Quando você conhece seu estilo e compra roupas adequadas para quem você é,
naturalmente elimina essa preocupação de ter 2 guarda-roupas.
Porque como eu sempre digo às minhas clientes: nós não somos duas pessoas.
Muitas mulheres usam o dress code como maneira de se esconder, ou, para se
sentirem confiantes e à vontade em ambientes corporativos muitas vezes com forte
presença masculina, ao invés de impor sua personalidade e identidade.
Foi-se o tempo em que a mulher tinha que se vestir de forma masculinizada para
demonstrar autoridade e competência e usar a roupa como escudo e proteção.
Por isso, sempre se pergunte: “eu estou me sentindo bem dessa forma?”.
Ter um guarda-roupa para cada ocasião apenas reforça a identidade de uma pessoa
acumuladora e sem confiança, que precisa ter uma peça disponível para cada
situação: cinema, teatro, reunião, escola, trabalho, academia, bar, balada, clube, festa,
casamento, viagem, conferência… a lista é enorme e poderíamos passar o dia
listando.
Um guarda-roupa cheio de opções, ou, vários guarda-roupas, atrapalham aqueles que
não conhecem seus estilos na hora de decidir o que vestir.
Por isso, eu novamente reafirmo: não tenha um guarda-roupa para cada ocasião,
mas vista-se de acordo com seu estilo para cada situação.
O ideal é que você tenha um guarda-roupa unificado e, por meio dele, se sinta
empoderada. E nunca que “está vestida pela metade”.
Conhecer seus estilos e misturá-los tanto para o trabalho quanto para o lazer irá te
trazer plenitude e uma sensação de empoderamento.
Porque quando a gente tem em nosso guarda-roupa, peças e looks dos nossos
estilos, não importa a ocasião, seja trabalho ou lazer,  a gente sempre vai conseguir
estar vestida deles.
Se vista sempre de você!

Quer saber mais sobre como um processo de consultoria pode te ajudar a abandonar
de uma vez por todas esse sofrimento de ter vários guarda-roupas?  Clique aqui .
Um abraço,
Érica Cunha Alvarenga
Stylist and Image Consultant

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Guarda-roupa harmônico X Acumulador de peças E agora, qual é o seu?

Published

on

Você tem o guarda-roupa abarrotado mas nunca sabe o que vestir?

 

Repete a icônica frase: “eu não tenho roupa para sair!” toda vez que precisar se vestir para uma ocasião?

 

Se você se identificou com essas situações fique tranquila que você não está sozinha, milhares de mulheres já disseram essa frase com um guarda-roupa que daria para vestir a torcida de um time de futebol.

 

A questão é: esse guarda-roupa é harmônico e contém peças com a personalidade da dona, ou, é apenas um cemitério de roupas que se acumulam?

 

Um guarda-roupa harmônico não é aquele lotado de peças, e sim o que é versátil, composto de looks que combinam entre si e que podem transitar por diversas ocasiões.

 

Como sempre digo às minhas clientes, e é onde a maioria das mulheres pecam e acabam se transformando em acumuladoras, é que:

 

Não existe guarda-roupa de lazer e guarda-roupa de trabalho. Todos nós, homens e mulheres temos o nosso estilo e ele deve nos acompanhar em qualquer situação.

 

Mas isso é tema da próxima semana!

 

No artigo de hoje vamos falar sobre essa que é uma dor universal: por que mulheres nunca tem roupa… mesmo com o guarda-roupa cheio?!

 

Vou te mostrar que talvez tenha um armário dessa forma porque ainda não descobriu qual é o seu estilo e como colocar toda a sua personalidade nele.

 

Então vamos lá, responda a si mesmo:

 

  • Você conhece seu corpo?
  • Sabe qual é o seu estilo?
  • Tem peças que combinam com os dois?

 

Uma mulher que se conhece sempre tem uma roupa ideal para cada situação, dentro do seu próprio estilo. E dificilmente irá dizer que não tem nada para vestir.

 

Você já parou para pensar porque as pessoas se transformam acumuladoras?

 

Veja se você se enquadra em alguma dessas situações:

 

  • Compra roupas da moda mesmo que elas não sejam do seu estilo?
  • Não pode ouvir a palavra liquidação que sai da loja com uma sacola?
  • Tem no armário peças da juventude das quais não consegue se desfazer?
  • Divide o guarda-roupa entre lazer e trabalho?
  • Tem peças apenas para agradar aos outros: marido, namorado, filhos..?
  • Compra roupas para ajudar outras pessoas? Acredite, algumas clientes já me relataram essa situação.

 

Se você respondeu sim a pelo menos 1 dessas perguntas, você está trilhando não só o caminho de um acumulador, como também o de uma pessoa com um guarda-roupa sem identidade e 0% harmônico.

 

Não tem nada mais frustrante e desanimador do que a sensação de abrir um armário lotado de peças e não encontrar nada para vestir, seja para um evento importante, uma reunião ou até mesmo no dia a dia.

 

E são situações como essas que levam as mulheres a terem rompantes e saírem atrás de mais roupas para preencher um guarda-roupa que nunca será satisfatório.

 

Compras impulsivas que não resolvem absolutamente nada. Em que você é o tempo todo escolhido, sem liberdade e poder de escolha.

 

Imagine que você vai ao shopping e, de repente, vê na vitrine uma peça que está em todos os veículos de moda, sendo usado pelas celebridades e, então você não pensa duas vezes, volta para casa com ela.

 

Imagine que você quer usar uma blusa linda que só fica boa com determinada peça que você comprou (saia, calça) e aí a peça está suja, descosturada, não vestiu bem, e você fica com a impressão de que realmente não tem nada para vestir.

 

Essas e outras tantas situações acontecem quando compramos uma peça que é linda, mas que não necessariamente se encaixa em nosso armário ou em nossa vida.

 

Um guarda-roupa cheio quase sempre é um guarda-roupa sem personalidade e sem harmonia. O tamanho do seu armário não diz sobre a qualidade das suas peças e tão pouco sobre seu estilo.

 

Não adianta acumular roupas para diversas ocasiões, porque a regra nº1 de um guarda-roupa harmônico é que as peças conversem entre si e com seu estilo. E jamais que você tenha que se vestir com um estilo diferente para cada ocasião.

 

Isso é falta de identidade e estilo.

 

A minha dica de hoje é:

 

#Dica 01 – Conheça seu estilo

 

Isso é o primeiro passo que você precisa dar. A falta de autoconhecimento sobre o seu estilo, tipo físico e coloração pessoal levam-no a viver eternamente nessa dor universal, de nunca ter o que vestir. Um processo de consultoria e uma profissional especializada podem ajudar.

 

#Dica 02 – Recicle, doe ou venda 

 

Vá até ao seu armário e perceba quais são as roupas que você realmente usa. 90% das mulheres usam sempre as mesmas roupas. Roupas que voltam da lavanderia e não ficam mais do que um dia no cabide. Por isso, se você não usa, para que acumular?

 

Esse apego dificulta a oportunidade de novas escolhas e que você realmente descubra qual é o seu estilo. Então já sabe, se não usa: recicle, doe ou venda.

 

#Dica 03 – Analise antes de comprar

 

Comprar uma roupa da moda só para fazer parte do status quo, ser aceita, agradar aos outros, não facilita em nada sua vida na hora que precisa se vestir para sair.

 

Conseguir controlar o impulso de “estar na moda”, de não comprar numa liquidação e parar de agradar aos outros, é o início do seu caminho de transformação.

 

O processo de consultoria te leva a um entendimento de quem você é, qual o seu estilo e como unificar os dois.

 

Não reclame mais da mesmice, de ter sempre as mesmas roupas e de não ter ideia do que vestir.

 

Contrate um processo de consultoria de estilo e imagem, e descubra quem você verdadeiramente é. Porque quando você não se conhece, não conhece seu corpo, as suas cores, você se limita e se torna um acumulador.

 

Se quiser descobrir qual é o seu estilo, como usar melhor cada peça adequada ao seu tipo físico e com utilizar as cores que favoreçam ao seu tom de pele clique aqui

 

Até a próxima!

 

Um abraço,

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

 

 

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Cuidado pessoal: que imagem você vê quando olha no espelho?

Published

on

Entenda como reservar poucos minutos por dia pode fazer diferença 

 

Existe uma famosa expressão que diz: “a primeira impressão é a que fica”, eu posso até estar errada, mas eu tenho certeza que você já disse e ouviu.

 

Geralmente estamos nos referindo à imagem de alguém, e, sendo bem sincera, fazemos isso com muita frequência.

 

E, por mais que queiramos acreditar no contrário, o primeiro contato visual com alguém, em qualquer ambiente, seja ele descontraído ou formal, é o que nos determina para as pessoas, por mais que não sejamos o estereótipo que elas construíram sobre nós. Mas, é o que elas veem.

 

Agora me responda: você sabe que imagem as pessoas têm de você?

 

No artigo de hoje vamos discutir sobre um assunto muito recorrente em conversas femininas: tempo, cuidado pessoal e imagem.

 

Para começarmos essa reflexão gostaria de trazer um questionamento para o nosso bate-papo. Responda com sinceridade:

 

Quando olha no espelho você gosta da imagem que vê?

 

Se a sua resposta foi sim, que ótimo! Agora, se ela foi negativa, preciso lhe fazer mais algumas perguntas para te ajudar a entender o porquê:

 

  • Você dedica algum tempo para cuidar de si mesma diariamente?
  • Quanto tempo por dia investe em seu cuidado pessoal: exercício físico, meditação, espiritualidade, se vestir do jeito que gosta, cuidar do cabelo, se sentir bonita etc.?
  • Você se acostumou com a imagem que vê?

 

Essas reflexões podem nos ajudar a perceber que o cuidado pessoal pode ser algo simples e sem muito mistério. É como eu costumo dizer: “é melhor 20 minutos por dia do que só o final de semana”.

 

E essa pequenas atitudes diárias podem trazer ou resgatar o empoderamento que você precisa para voltar a se sentir satisfeita com a imagem que vê no espelho.

 

O espelho que povoa o imaginário da mulher desde a infância com os contos de fada como: “Espelho, espelho meu…” até à fase adulta em que, ou ela gosta da imagem que vê, ou evita o espelho quando o que ele reflete não é satisfatório.

 

Quantas pessoas se olham e não gostam do que veem? Muitos se depreciam diante do espelho e, não precisamos usá-lo como algo opressor.

 

O que quero trazer hoje, a você leitor (a), é que a imagem que vemos no espelho determina, muitas vezes, nossa felicidade.

 

Então, por que não dedicamos tempo ao nosso cuidado pessoal?

 

Muitas clientes me dizem que não têm tempo.

 

Algumas dizem que depois da maternidade o tempo ficou mais curto e que cuidar de si mesmas virou algo praticamente impossível, principalmente, associado a outros papéis que elas desempenham, como profissionais com carreiras, esposas, filhas, irmãs…

 

Outras me confessam que nem percebem como o tempo passa e a maturidade chega. Dia desses uma delas me disse que usava camisetas com motivos infantis, mas que não gostava que os outros a vissem como uma “menininha”.

 

Foi somente ao me falar disso que ela se deu conta da imagem que estava transmitindo. Do quanto ela se vestia de maneira infantil sendo uma mulher executiva, empresária e que aquela imagem não era coerente a ela.

 

Mas, você há de concordar comigo que entender quem somos e quem é a pessoa por detrás desses papéis, de mãe, esposa e profissional, é fundamental para nos sentirmos mulheres e felizes com a imagem que vemos.

 

Todas as minhas lembranças de adolescência e juventude, são de uma menina e mulher que sempre se preocuparam com o cuidado pessoal, que gostava de se sentir bonita e de ter bem-estar.

 

Sempre ouvi da minha família, frases como: “Érica está sempre bem vestida dentro de casa, sempre bonita”. E, até hoje é assim.

 

Gosto de me cuidar, de fazer uma make, de estar com uma roupa adequada, cabelos bonitos e bem tratados, de me sentir bonita.

 

E é isso que quero resgatar em você que me acompanha aqui. O cuidado pessoal é importante para nós mesmos, não para os outros.

 

A imagem que você vê no espelho reflete exatamente o tempo que você está investindo em si mesmo.

 

E a importância do cuidado pessoal vai além da imagem pela imagem, mas o quanto se sentir bem com o que se vê pode:

 

  • Melhorar a autoestima
  • Proporcionar autoconhecimento
  • Resgatar a feminilidade, alegria e felicidade 
  • Trazer autoconfiança e segurança
  • E ter uma imagem coerente àquilo que quer transmitir

 

Deixo aqui uma dica para você que acompanha semanalmente na F!ALERT:

 

Preste atenção se nesse tempo de crise e home office, em que a maior parte de nós estamos dentro de casa, se você não se descuidou da sua imagem, trabalhando de pijama, ou 24 horas por dia com aquele camisetão do marido, cabelo desarrumado.., isso só reforça a imagem que você não quer ver.

 

Reserve poucos minutos por dia ao seu cuidado pessoal e tenha uma imagem coerente ao que você quer transmitir.

 

Se você quiser saber mais sobre Imagem e Estilo, seu Tipo Físico e Coloração Pessoal é só  clicar aqui

 

Beijo,

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

 

 

 

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Tipo Físico: você sabia que existe uma roupa certa para cada um? Saiba qual é o seu e aprenda a valorizá-lo

Published

on

Você já se rendeu a um decote matador, mas, no fim das contas ele não valorizou o seu colo ou seios?

 

Colocou aquela calça flare e quando se olhou no espelho não conseguiu sair de casa?

 

Isso acontece porque o biotipo de cada pessoa é diferente e, consequentemente, não é toda roupa que fica bem em todo mundo.

 

Atendendo a muitos pedidos, na coluna de hoje vou falar sobre: os 5 Tipos Físicos  e como cada um deles podem ajudar a construir uma imagem adequada ao seu corpo, ou, como eu costumo dizer, te   derrubar! E você não quer que isso aconteça, não é mesmo?

 

Menos ou mais curvas, seios volumosos ou não, silhueta de violão ou bumbum generoso, existem uma infinidade de corpos e, não podemos dizer que um é mais bonito que outro, mas que são apenas diferentes.

 

E, por mais que alguns biotipos sejam mais valorizados que outros, você não precisa se adequar a um padrão para se sentir bonita, apenas utilizar a modelagem correta para o seu tipo físico.

 

Quer logo uma dica? Quem tem quadril mais volumoso, por exemplo, deve evitar peças que chamem a atenção para essa região.

 

Já quem tem um tronco mais esguio, pode aproveitar as peças que marquem a área e que criem uma ilusão de uma cintura mais definida.

 

Quer saber mais? Vem comigo!

 

Os principais Tipos Físicos

 

Qual mulher nunca passeou pelo shopping e levou para casa uma peça que nunca tirou a etiqueta? Muitas vezes isso acontece por impulso, mas, a chance delas nunca tirarem a etiqueta porque aquela peça ficou melhor no manequim do que nelas, é ainda maior.

 

Às vezes compramos determinadas roupas e nem passa pela nossa cabeça que aquele modelo pode não cair bem em nosso corpo.

 

E é por isso que agora vamos conversar sobre os 5 Tipos Físicos: Ampulheta ou 8, Triângulo, Triângulo invertido, Retângulo e Oval, e como cada um deles podem valorizar seu biotipo e imagem.

 

  1. Ampulheta ou 8

 

Esse é um dos tipos físicos mais valorizados. Também conhecido como  “corpo violão”, o tipo ampulheta tem como característica ombros e quadris da mesma largura, ou seja, são proporcionais e a cintura mais fina.

 

  1. Triângulo

 

O triângulo é um dos tipos físicos mais encontrados no nosso país e é popularmente conhecido como “pêra”. O tipo triângulo  tem o quadril, culotes e a região dos glúteos mais largos que a cintura e os ombros.

 

A mulher que geralmente tem esse tipo físico apresenta coxas mais grossas e quadril mais largo, característica que se mantêm mesmo que ela seja magra.

 

  1. Triângulo invertido

 

Como o próprio nome diz, a mulher com esse tipo físico tem características com proporções contrárias ao tipo triângulo. Ou seja, as medidas dos ombros e bustos são mais largas do que a parte inferior. Elas costumam ter pernas mais longas e esguias.

 

  1. Retângulo

 

Esse tipo físico é caracterizado por exibir as mesmas medidas nos ombros e quadris, mas diferente da mulher com “corpo violão”, aqui a cintura é reta, com medidas muito parecidas com as demais partes. É um tipo físico geralmente encontrado em mulheres mais magras e altas.

 

  1. Oval

 

O tipo físico oval é caracterizado por mulheres com as mesmas medidas no busto e quadril, e com a cintura maior do que as outra regiões.

 

Geralmente tem o pescoço mais curto, braços mais grossos, seios volumosos e pernas um pouco mais finas do que o restante do corpo.

 

E aí, você conseguiu identificar qual o seu tipo físico?

 

Todos os tipos físicos são bonitos e nenhuma mulher precisa se encaixar em um para se sentir bem.

 

Lembre-se: não existe um único padrão de beleza!

 

O que sempre reafirmo é que cada silhueta pode ser valorizada com a modelagem correta e alguns truques de moda.

 

E, da mesma maneira, também pode ser prejudicada pela escolha errada.

 

Falar de corpo não é uma tarefa fácil, pois a maior parte das mulheres têm tendência em evitar esse assunto, independente de peso. Mas, quando uma mulher não conhece o seu tipo físico compra peças que a desvaloriza.

 

Sempre digo às minhas clientes sobre a importância delas conhecerem as melhores modelagens para seus tipos físicos, pois isso as ajuda a evitarem qualquer tipo de sofrimento na hora de comprar uma peça.

 

Quantas mulheres passam por inúmeras situações desagradáveis por não conhecerem seus corpos.

 

E é justamente isso que eu quero evitar que aconteça a você. Aliado ao trabalho de Coloração Pessoal e à Consultoria de Imagem e Estilo, você pode se sentir emponderada e imponente, sem passar por qualquer tipo de sofrimento ou “saia justa”.

 

O mais importante é usar as roupas como aliadas e não como adversárias que querem destruí-la ou colocá-la em uma situação vexatória.

 

Conhecer o seu corpo é algo extremamente importante, principalmente se você valoriza sua carreira profissional e seu bem-estar pessoal.

 

Saber do seu tipo físico pode te ajudar até na escolha de looks em conformidade com o trabalho que você desempenha.

 

Quer saber mais? Acesse: erica.consultoriadeestilo e saiba sobre como fazer sua análise de Coloração Pessoal, Estilo e Tipo Físico.

 

Um abraço,

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

 

 

Continue Reading

Trending

© 2020 FashionAlert