Connect with us

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Consumismo também é estilo de vida?

Published

on

Atire a primeira pedra aquele que nunca foi fisgado por uma campanha publicitária e cedeu ao impulso da compra.

 

Se você é mais ou menos da minha geração, deve se lembrar daquele famoso comercial de TV de uma empresa de chocolate, cujo marketing com a fala de uma garotinha: “compre batom” era como uma espécie de hipnose.

 

Onde quer que se fosse, lá estava a voz da garotinha povoando os pensamentos, e nos levando a desejar e comprar algo que não era um interesse genuíno.

 

É por isso que no artigo de hoje quero compartilhar com você alguns assuntos que tem me visitado e me chamado à reflexão:

 

• O que nós estamos comprando?
• Cedemos ao impulso de campanhas publicitárias que sabem exatamente como nos convencer?
• Ou estamos consumindo de forma consciente, tendo clareza do que estamos levando para casa?

 

Assim como no comercial de anos atrás, hoje, continuam a existir milhares de empresas que tentam nos seduzir com suas campanhas estratégicas.

 

É clichê, mas a maior desculpa publicitária de todos os tempos continua a existir com o “quem não é visto, não é lembrado”, e continuamos sendo bombardeados com tanta sedução.

 

• Será que você consegue resistir?
• Quais são os seus hábitos de consumo?
• Anda comprando sem nem saber o porquê?

 

Há quem se engane, mas o consumismo também é um estilo de vida.

 

As campanhas publicitárias cumprem exatamente seus objetivos, tentando nos convencer de uma compra que não precisamos e, quando cedemos à tentação, sucumbimos ao consumismo.

 

Muitas pessoas colecionam compulsivamente apenas para ter em seus guarda-roupas, porque a blogueira ou influencer está usando, porque é a “última moda”, porque precisa sentir um certo pertencimento… Será que você se recorda qual foi a última peça, batom ou acessório que comprou?

 

Algumas clientes já me relataram que compraram indiscriminadamente várias peças de um mesmo modelo, apenas com cores diferentes, somente para ter no armário.

 

Você já parou para pensar o quanto isso te afeta emocionalmente?

 

Quero deixar algumas reflexões que podem lhe ajudar a consumir de forma mais consciente. Sendo menos impactado por essa grande indústria da mídia, conseguindo escolher o que quer comprar para não ser“sequestrado” por um desejo que não é genuinamente seu.

 

#1 Não compre se estiver triste

 

Comprar pode trazer a falsa sensação de felicidade. No momento você pode sentir alegria e liberdade, mas, logo em seguida, arrependimento. Reflita antes de comprar quando estiver triste.

 

#2 Não compre por desejo, mas por necessidade

 

Existe uma enorme diferença entre desejo e necessidade, avalie bem os seus. Compras por impulso, geralmente são baseadas em desejos. Comprar uma roupa, um sapato, bolsa, acessório sem precisar, é desejo e não necessidade.

 

#3 Evite estar muito exposto às propagandas

 

Como disse no início do nosso bate-papo, as grandes campanhas publicitárias foram feitas para convencer um consumidor a comprar. Tenha consciência e discernimento de que você não precisa de tudo.

 

Teremos sempre direito de escolha sobre nossos comportamentos!

 

Lembre-se: você pode ter estilo, estar na “moda”, se sentir bonita, consumindo de forma consciente e sustentável.

 

Deixo a você um último questionamento: o quanto isso impacta sua vida?

 

Um abraço,

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Cores quentes ou frias: você sabe quais favorecem o seu tom de pele?

Published

on

Toda pessoa tem predileção por uma cor e, em referência a ela, acaba comprando peças de roupas, acessórios, bolsas, e em ato mais extravagante, pintando até a parede da casa.

 

Mas você já parou para pensar se essas cores favorecem o seu tom de pele e harmonizam sua imagem?

 

As cores certas têm a capacidade de iluminar o seu rosto, suavizar a textura da sua pele e equilibrar os seus traços, até aqueles que você menos gosta.

 

Mas as cores erradas são capazes de apagar o seu visual e ressaltar aquilo que te incomoda, como por exemplo, as olheiras. E quando digo cores erradas, são aquelas que não fazem parte da sua cartela de cores.

Cada cor tem uma função visual e está intrinsecamente relacionada ao seu tom de pele, cabelo, olhos, sobrancelha, e isso pode enaltecer, ou, simplesmente detonar a sua imagem.

 

Talvez você nunca tenha parado para pensar conscientemente sobre isso, mas, provavelmente já ouviu alguém dizer: “essa cor fica tão bem em você”! E isso não acontece por acaso, existem muitos fatores e estudos que explicam essas afirmações. É o que chamamos de: coloração pessoal!

 

Cada pessoa tem a sua cartela de cores, e dentro de um processo de análise de coloração descobrimos quais são essas cores, que podem ser quentes ou frias. As cores quentes estão presentes no outono e na primavera, e as cores frias, no inverno e verão.

 

Eu costumo dizer que cada pessoa é uma estação do ano de acordo com a coloração. As cores quentes carregam um pouco mais de amarelo em sua composição, são cores mais aconchegantes, profundas, terrosas, alegres e luminosas.

 

Já as cores frias,  carregam mais azul em sua estrutura. São cores mais sóbrias, puras, intensas e dramáticas.

 

Podemos perceber essas cores nas paisagens de cada estação do ano, como por exemplo, nas cores quentes, que ressaltam as flores, folhas, terrosos, típicos da primavera e outono.

 

E qual a importância de descobrir quais cores, quentes ou frias, mais harmonizam seu tom de pele?

 

A cor certa nos ajuda a disfarçar detalhes e traços que não gostamos. Por exemplo, uma blusa com uma cor que favorece seu tom de pele é capaz de camuflar manchas no rosto, olheiras, etc.

E isso tem uma explicação simples: tudo o que é cor reflete no seu rosto.

Toda pessoa que tem olhos azuis ou verdes, quando usa uma roupa com essa mesma cor na parte de cima, ressalta a cor dos olhos e passa o dia recebendo elogios. E quem nunca usou um pink, vermelho ou laranja e ressaltou o bronzeado?

 

A cor adequada traz um aspecto mais saudável e também é capaz de valorizar a imagem de uma pessoa.

 

E quando não favorecem podem apagá-la, como eu digo “a cor chega primeiro”, e é por isso que quando usamos uma cor que harmoniza nosso tom de pele, ela se torna parte de nós e a nossa imagem fica mais harmônica.

Quando mapeamos as nossas cores, os resultados são impactantes. Elas valorizam nossos atributos e nada fica desarmônico.

É incrível ver uma pessoa ir se transformando e perceber como as cores certas atreladas ao tom de pele podem deixá-la mais jovial, com um ar menos cansado..

Quer descobrir quais são as cores quentes e frias que mais favorecem o seu tom de pele, como potencializar seus looks e guarda-roupa e de uma vez por todas dizer adeus às cores que não favorecem sua imagem, acesse: erica.consultoriadeestilo

 

Um abraço,

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

 

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Você usa seu Tipo Físico a seu favor?

Published

on

Já ouviu aquela frase: “como você emagreceu!”, sem ter baixado nenhum número na balança?

 

Não? Pois é, isso é possível. Algumas mulheres conseguem esse feito simplesmente se vestindo da maneira mais adequada ao seu biotipo.

 

No universo feminino, boa parte das mulheres, ousaria dizer que a maioria, está sempre em busca de perder medidas.

Uma busca incansável associada a uma pressão que as próprias mulheres sofrem para corresponder a um padrão de beleza irreal.

Mas essa realidade vem mudando aos poucos, um estudo divulgado pela Associação Americana de Psicologia que envolveu mais de 100 mil mulheres, comprovou aquilo que foi um pequeno passo para o universo feminino, mas um salto para as próximas gerações:

33% dessas mulheres, segundo os especialistas, demonstraram descontentamento com a questão da magreza.

Em entrevista à revista americana Time, o autor do estudo e professor de psicologia, Bryan Karazsia, disse que, embora esta mudança possa parecer pequena, estatisticamente é um número bem significativo.

E o que tudo isso significa? Que as mulheres estão aprendendo a gostar mais do que veem no espelho, dos seus corpos e tipos físicos.

 

Existem mulheres com mais ou menos curvas, seios volumosos ou não, silhueta de violão ou bumbum generoso, enfim, uma infinidade de corpos e, não podemos dizer que um é mais bonito que outro, mas que são apenas diferentes.

E por mais que alguns biotipos sejam mais valorizados que outros, você não precisa de adequar a um padrão para se sentir bonita, apenas utilizar a modelagem correta ao seu tipo físico.

No artigo de hoje vamos falar exatamente sobre isso, sobre algo que sempre reafirmo às minhas clientes: cada tipo físico pode ser valorizado com a modelagem correta e alguns truques de estilo, moda e coloração.

A mulher que conhece seu corpo, seus estilos e quais são as cores que mais favorecem ao seu tom de pele, conseguem se vestir da forma como querem e valorizar seu tipo físico.

Quer um exemplo? A maioria das pessoas têm a falsa ideia de que o preto emagrece. Isso é mito.

O preto não emagrece, o que traz uma aparência mais esguia são os looks monocromáticos. Mas nada adianta está vestida com um look monocromático se a modelagem da roupa não favorece seu tipo físico.

Tenho muitas clientes que reforçam essa ideia, e que acreditam que apenas uma cor, em questão, o preto, favorecem um biotipo.

 

É a modelagem (tipo de tecido, formato, textura, modelo, comprimento), aliada aos seus estilos que trazem a aparência mais alongada, esguia, que você deseja.

Para acabar com esse mito de que preto emagrece, aprenda que qualquer look monocromático traz esse efeito, seja off white, branco…

Isso também acontece quando a mulher quer transmitir a ideia de soberania, influência, dominância, e utiliza peças com linhas ou estampas.

Deve-se tomar cuidado ao escolhê-las, pois assim como determinado tipo de modelagem pode não favorecer, com as estampas e linhas acontecem da mesma forma. Algumas estampas e linhas trazem volume e outras diminuem a silhueta, por isso, tenha consciência do que está vestindo para não transmitir uma imagem que não deseja.

Todas essas dicas são um conjunto de fatores que ajudam você na hora de se vestir, mas, dê também atenção especial ao seu tipo físico.

Falar de corpo não é uma tarefa fácil, pois a maior parte das mulheres têm tendência em evitar esse assunto, independente de peso. Mas, quando uma mulher não conhece seu biotipo compra e usa roupas que as desvalorizam.

 

O mais importante é usar as suas roupas como aliadas e não como adversárias.

Conhecer seu corpo e tipo físico te ajuda a fazer escolhas coerentes à imagem que você quer transmitir. Pense nisso!

Quer saber mais? Acesse: https://www.instagram.com/erica.consultoriadeestilo/

e faça um processo de consultoria para descobrir seu tipo físico e viver com liberdade tendo uma vida mais feliz

Um abraço,

Érica Cunha Alvarenga

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Vestido de noiva: como escolher a cor?

Published

on

Aprenda porque nem toda mulher fica bem de branco

 

Decotado, tradicional, sem rendas, com brilho ou bordados, toda noiva que decide a data do casamento entra no mesmo dilema: que vestido usar, qual a cor?

 

Parece uma pergunta com resposta óbvia: branco!

 

Mas será? Você sabia que nem toda noiva fica bem de branco e que, nem sempre, na história da humanidade, o vestido de noiva foi branco?

 

Isso mesmo, a cor ideal para cada mulher deve ser escolhida a partir do seu tom de pele, por isso, nem sempre o branco é a cor perfeita.

 

Se você já ouviu alguém dizer: “essa cor fica tão bem em você!”, não é por acaso, existem muitos estudos que explicam essas constatações, é o que chamamos de coloração pessoal, e isso também vale para o vestido de noiva.

 

A tradição do vestido branco tem aproximadamente 200 anos, e antes disso as mulheres usavam qualquer cor para se casar: vermelho, verde, e até preto.

 

A tradição do branco começou com a coroação de Napoleão Bonaparte e sua esposa Josefina. Ao descobrir que não eram casados, o papa se negou a realizar a cerimônia, dizendo que somente realizaria a coroação se eles se casassem.

 

Para impressionar ao papa, Josefina mandou fazer um vestido branco, que ressaltasse a ideia de pureza, castidade e espiritualidade e, assim, nasceu o vestido de noiva, que antes de ser utilizado como vestido de coroação foi utilizado para o seu próprio casamento.

 

É comum as pessoas darem os créditos da institucionalização dessa cultura à rainha Vitória, mas, a cerimônia de seu casamento com o príncipe Alberto aconteceu em 1840, aproximadamente 36 anos após o casamento de Napoleão e Josefina.

 

Entre 1804 e 1840 foram registrados inúmeros vestidos de noiva brancos. Por isso, a rainha Vitória apenas popularizou o uso do branco para o vestido de noiva.

 

Agora, volto à pergunta que nos trouxe até aqui: será que qualquer mulher pode mesmo usar o branco no vestido de noiva?

 

Como especialista em coloração pessoal e consultora de moda e estilo, posso afirmar sem medo, que não.

 

O branco não é uma cor que se adequa a todos os tipos de pele. 

 

Quando uma mulher faz sua análise de coloração pessoal ela descobre qual a sua cartela de cores, identificando a cor mais próxima do seu tom de pele.

 

Minhas clientes me perguntam muito sobre o preto e o branco, se elas são cores coringas e se qualquer um pode usar. Mas, na verdade, o preto e o branco não estão na cartela de coloração de todas as estações, e muito menos de todos os tons de pele.

 

Existem outros neutros que podem ficar ainda mais bonitos, como: off white, marfim, cappuccino, nude..

A coloração pessoal nos ajuda a desconstruir afirmações como essas, fundamentadas sobre pilares culturais, como a institucionalização do branco para noivas.

Toda mulher que sonha com seu casamento, deseja que tudo seja extremamente lindo, mas, já pensou olhar as fotos dessa data tão especial e perceber que a cor do seu vestido não caiu bem em você?

Isso acontece mais do que você pensa, porém você pode evitar utilizando a coloração pessoal a seu favor.

 

Se você tem um tom de pele mais quente ou frio, se é melhor usar branco ou off white, se as cores dos metais devem ser ouro ou ouro branco, rosé, fosco ou brilhante, que maquiagem fica melhor, tudo isso é trabalhado durante um processo de coloração pessoal.

 

As pessoas pensam em como combinar as cores das roupas e acessórios, mas o estudo da coloração pessoal vai, além disso, e consiste em como combinar essas cores com as “nossas cores”, para obtermos mais harmonia com a imagem que estamos transmitindo às pessoas.

 

E quando falo “nossas cores”, estou falando de cabelos, sobrancelhas, cílios, olhos, maquiagem, pele… tudo.

 

Quando me casei, experimentei apenas um vestido, e ele não era branco, era off white. É uma pequena diferença de tonalidade, mas que na pele causa tamanha alteração.

 

Na época do meu casamento eu não era consultora e “sem querer” acertei a cor do meu vestido, tendo a oportunidade de me casar com a cor ideal ao meu tom de pele.

 

Mas você não deve correr esse risco e contar com a sorte. O achismo numa data tão especial não é a melhor escolha.

 

Quantas mulheres já não se tornaram reféns de maquiadores por não conhecerem sua cartela de cores, e usaram a clássica frase: “faz o que você acha melhor pra mim”, sem se darem conta que, muitas vezes, esses maquiadores não conhecem nada sobre coloração pessoal.

 

Coloração pessoal não é achismo. Consultoria é investimento. E conhecimento é liberdade e autonomia.

 

  • Vai casar e não sabe qual a melhor cor para o seu vestido?
  • Não faz ideia de quais tons utilizar em sua maquiagem?
  • Quer ter mais segurança para fazer suas escolhas?

 

Conheça mais do meu trabalho clicando aqui e faça seu processo de consultoria para se sentir linda e segura no dia mais especial da sua vida.

 

Um abraço,

 

Érica Cunha Alvarenga

Stylist and Image Consultant

Continue Reading

Essa moda é pra você? - Por Érica Cunha Alvarenga

Lazer x Trabalho Ter ou não ter um guarda-roupa para cada ocasião?

Published

on

Imagina só acordar todos os dias e escolher um look diferente dentro dos seus
próprios estilos em seu guarda-roupa. Parece difícil? Mas não é impossível.
Você deve está pensando agora: “para isso acontecer eu preciso no mínimo ter vários
guarda-roupas”. Negativo!
É exatamente sobre isso que vamos falar no artigo de hoje.
Se você é daqueles que tem um guarda-roupa para cada ocasião, preciso te dizer que
está indo pelo caminho errado, principalmente se quer descobrir quais são os seus 3
estilos principais dentre os 7 universais.
Se você quer aprender como desmistificar essa crença de que precisa ter vários
guarda-roupas “dentro de si mesma” para se sentir segura e confortável na hora de
escolher o que vestir, fica comigo no artigo de hoje.
Na semana passada falei sobre como aprender a identificar se você é um acumulador
de peças ou se tem um guarda-roupa harmônico, com personalidade e focado na
identidade dos seus estilos.
Se você perdeu é só clicar aqui para entender mais sobre o que vamos falar hoje.
Vamos começar?

Ter ou não ter um guarda-roupa para cada ocasião?
Será que ter um armário para lazer e outro para o trabalho é mesmo a melhor
solução? Você já abriu seu guarda-roupa e percebeu que separa as peças dessa
maneira?
Preciso te dizer que essa é uma prática muito comum entre as mulheres que ainda
não descobriram quais são os seus estilos, e também entre aquelas que não se
sentem confiantes em vestir o que gostam.
Várias clientes chegam às sessões de consultoria com essas dúvidas e, boa parte das
pessoas, homens ou mulheres, fazem um guarda-roupa diferente para cada ocasião.
Porém, essa prática, sobre a qual eu não aconselho, te torna uma pessoa com forte
potencial de acumulador e, provavelmente, com peças e mais peças que você sequer
usa ou sabe que tem.
Se você não é uma pessoa que precisa usar uniforme para ir ao trabalho, seu guarda-
roupa deve conter peças e looks que estejam de acordo com seus estilos e com quem
você é, e não separá-los em duas ou mais categorias.

Exatamente por isso falo sobre a importância de cada pessoa conhecer bem os seus
estilos. Porque isso dá a ela a liberdade de misturar peças desse guarda-roupa em
quaisquer que seja a ocasião.
Por exemplo, as pessoas que trabalham em lugares onde o Dress code, tradução do
inglês para código de vestimenta, é mais rígido, adotando uniformes e traje social
completo, também podem aprender a compor seus looks sem eliminar seus próprios
estilos e sem criar 2 guarda-roupas.
Uma mulher com estilo mais sensual pode colocar um pouco de sensualidade nesse
dress code, assim como a criativa, esportiva e, isso vale para todos os estilos. Sem
medo de errar!
As pessoas e, principalmente as mulheres, ficam muito presas ao que pode ou não
pode quando o assunto é look para o trabalho e acabam usando peças que não fazem
parte de seus próprios estilos, o que as deixam super desconfortáveis.
Quando você conhece seu estilo e compra roupas adequadas para quem você é,
naturalmente elimina essa preocupação de ter 2 guarda-roupas.
Porque como eu sempre digo às minhas clientes: nós não somos duas pessoas.
Muitas mulheres usam o dress code como maneira de se esconder, ou, para se
sentirem confiantes e à vontade em ambientes corporativos muitas vezes com forte
presença masculina, ao invés de impor sua personalidade e identidade.
Foi-se o tempo em que a mulher tinha que se vestir de forma masculinizada para
demonstrar autoridade e competência e usar a roupa como escudo e proteção.
Por isso, sempre se pergunte: “eu estou me sentindo bem dessa forma?”.
Ter um guarda-roupa para cada ocasião apenas reforça a identidade de uma pessoa
acumuladora e sem confiança, que precisa ter uma peça disponível para cada
situação: cinema, teatro, reunião, escola, trabalho, academia, bar, balada, clube, festa,
casamento, viagem, conferência… a lista é enorme e poderíamos passar o dia
listando.
Um guarda-roupa cheio de opções, ou, vários guarda-roupas, atrapalham aqueles que
não conhecem seus estilos na hora de decidir o que vestir.
Por isso, eu novamente reafirmo: não tenha um guarda-roupa para cada ocasião,
mas vista-se de acordo com seu estilo para cada situação.
O ideal é que você tenha um guarda-roupa unificado e, por meio dele, se sinta
empoderada. E nunca que “está vestida pela metade”.
Conhecer seus estilos e misturá-los tanto para o trabalho quanto para o lazer irá te
trazer plenitude e uma sensação de empoderamento.
Porque quando a gente tem em nosso guarda-roupa, peças e looks dos nossos
estilos, não importa a ocasião, seja trabalho ou lazer,  a gente sempre vai conseguir
estar vestida deles.
Se vista sempre de você!

Quer saber mais sobre como um processo de consultoria pode te ajudar a abandonar
de uma vez por todas esse sofrimento de ter vários guarda-roupas?  Clique aqui .
Um abraço,
Érica Cunha Alvarenga
Stylist and Image Consultant

Continue Reading

Trending

© 2020 FashionAlert